Arquivo para Sociedades Secretas

Theatro São Pedro das Trevas

Posted in RPG with tags , , , , , on setembro 5, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

O Nascimento:

O Teatro São Pedro de Porto Alegre começou a ser construído em 1833 a partir da iniciativa de uma sociedade formada por doze ilustres cidadãos ligados a Igreja e aos cavaleiros da Ordem de Aviz. O teatro se chamaria São Pedro de Alcântara – e os rendimentos seriam destinados para auxílio da Santa Casa de Misericórdia. O Presidente da Província Manoel Antônio Galvão doou em 1833 um terreno com 100 x 200 palmos para a sua construção, localizado na Praça da Matriz, no centro da cidade. As obras foram iniciadas no ano seguinte, mas foram interrompidas ainda nos alicerces, em função da sangrenta Guerra dos Farrapos que aconteceu entre 1835 e 1845.

Depois da guerra, surgiu uma nova sociedade que continuou a construção do Teatro, Pedro Rodrigues Fernandes Chaves, o Barão do Quaraim foi o presidente da nova sociedade, membro proeminente do partido conservador conseguiu junto ao novo Presidente da Província Manuel Vieira Tosta, o Barão do Muritiba os subsídios oficiais, concedidos pelo Governo Provincial. O trabalho de construção foi retomado em 1850 e a pedido da Santa Casa o projeto ficou a cargo de Phillip von Normann, que se encarregou de toda a construção, com exceção da decoração final, que foi feita por Emil Julius Textor.

A Era de Ouro:

O restante das verbas para a construção vieram do Governo Provincial e de um programa de loterias estaduais e o belo edifício foi inaugurado em 27 de junho de 1858. O Teatro com capacidade para 700 espectadores e luxuosa decoração em veludo e ouro foi uma grande novidade para a elite da sonolenta capital Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, em uma época em que Porto Alegre tinha pouco mais de vinte mil habitantes.

O Theatro São Pedro surgiu para atender a demanda da pequena elite provincial. O enriquecimento trouxe o desejo por mais poder político e também pelos luxos e modas da Europa, que foram importados na medida do possível, no entanto, adaptados  aos costumes dos poderosos senhores locais. Diferente dos teatros europeus o São Pedro possuía escadas exclusivas para o trânsito de escravos a serviço de seus mestres. Entre as tarefas dos escravos estava o constante trabalho de transporte de urinóis para aliviar seus patrões.

Logo depois de sua inauguração o Theatro São Pedro começou a ser alvo de disputas políticas entre cavaleiros Templários da Ordem de Aviz ligados aos setores mais conservadores e os políticos e proprietários mais progressistas ligados a maçonaria e aos iluminados. Depois de uma guerra burocrática a sociedade responsável pela administração do teatro não conseguiu honrar as despesas e o imóvel foi desapropriado pelo poder público em 2 de abril de 1861, isso que marcou o fim da influência da Igreja e dos Templários no Theatro São Pedro.

O São Pedro se tornaria a coração da vida política e social de Porto Alegre, sendo o local de socialização mais requintado e luxuoso que dispunha a elite da pequena cidade de Porto Alegre, ao lado da Sociedade Bailante. Naturalmente o Theatro passou a ser o ponto de encontro dos notáveis da Província e onde além de assistir a programação de espetáculos, também usavam o espaço para fazer alianças, fechar negócios ou mesmo tramar golpes e assassinatos. Mais tarde com o surgimento do Partido Republicano Rio-grandense (P.R.R.) o Theatro se tornou lugar por excelência de tramas e arranjos políticos que que levariam ao poder o P.R.R. de Julio de Castilhos.

Durante a chamada Revolução Federalista de 1893 o São Pedro foi também o local onde foram orquestrados os movimentos das duas facções em disputa pelo domínio político no Rio Grande do Sul. Nos últimos anos do século XIX o São Pedro se tornou cada vez mais um local de reuniões informais entre representantes do cada vez mais diverso quadro de Seitas, Ordens Secretas e círculos de mistérios que cada vez mais rapidamente começaram a aparecer também no Rio Grande do Sul.

O São Pedro se tornou quase naturalmente um local de contato de alguma forma mais amistoso entre as sociedades Secretas presentes no Rio Grande do Sul, mas isso não impediu que em pelo menos uma ocasião as divergências não chegassem as últimas consequências, nessa ocasião um homem foi assassinado no teatro sob circunstâncias nebulosas e o caso foi abafado para não gerar suspeitas a respeito do que estava acontecendo entre as apresentações teatrais e espetáculos musicais.

O Século Vinte e o Arcanun Arcanorum:

No início do século vinte o São Pedro continuou sendo um estabelecimento de requinte apesar do contínua degradação que o edifício sofreu. Continuou sendo palco de eventos relacionados a política mundana e sobrenatural ao longo do século. Em 1961 o então Governador Leonel Brizola fez inflamados discursos para os gaúchos afim de mobilizar os cidadãos em torno da resistência à deposição do Presidente João Goulart no Theatro São Pedro.

Em1973 o Theatro foi desativado por falta de condições técnicas e de segurança, mas, dois anos mais tarde, depois de uma intensa mobilização de membros da maçonaria e outras ordens participantes do Arcanun Arcanorum foi iniciado o processo de restauração de São Pedro. Em 1984 foi reinaugurado e posto sob a direção de uma nova associação de beneméritos amigos do São Pedro que em sua maioria pertencem a alguma Ordem secreta no Rio Grande do Sul.

Um novo arranjo político tem garantido que o São Pedro continue sendo um local neutro onde os membros de ordens secretas podem manter contato para tratar de qualquer assunto relacionado a política sobrenatural, pelo menos por enquanto… O estabelecimento reconquistou sua reputação como lugar de grandes produções teatrais e músicos de renome internacional, reputação que mantém até hoje no início do século XXI.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: