Archive for the RPG Category

O Relato de Daniel Graesser:

Posted in Literatura, RPG with tags , , , , , , , on janeiro 31, 2013 by Lucas Bernardo Ramires

29/12

Faz um dia que Markus sumiu, ficamos eu e Cadman nesta região afastada.
Estranhamente começo a sentir impulsionado a sair da mansão.
Parece uma fome mas sem apetite e só consigo lembrar da empregada morta a cama sem sangue algum…

30/12

A fome é praticamente alucinante, Markus falou sobre a necessidade por sangue, disse que é impossível resistir, essa é a maldição que devemos carregar? Estranhamente Cadman não sente necessidade de dormir ao dia.
Será que os nazistas estão tentando usar o sangue de vampiros para criar uma aberração?

02/01/1959

Sangue… tudo se resume a isso.
Entendo agora a razão da corrida frenética nazista pelo sangue, há um poder oculto e inexplicável contido nele.
Ataquei minha primeira vítima conscientemente… uma garota parecida com as que se encontram no fundo do poço.
É visível o quanto essa condição me transformou fisicamente, mentalmente me sinto inabalável é quase como se ninguém conseguisse argumentar contra minha vontade.

06/01/1959

Essa nova condição começa a preocupar.Será impossível administrar a Graesser Chemical desta forma.  Levantará suspeitas, preciso encontrar uma solução, talvez tenha que deixar a direção da empresa e converter minha finanças de uma maneira em que eu fique anônimo. Uma empresa tem me chamando a atenção, International Business Machines, fundo de ações… entrego a Graesser Chemical para a Monsanto e converto para um fundo de ações… money-spinner é o termo da vez.

Saí novamente atrás de sangue, estava escondido mas à vista de todo mundo, estava lá mas o mundo não conseguia me ver. Dominei a vítima facilmente, ela não pode resistir a força de minha vontade.

Texto: Grecco Moraes

Anúncios

Efeitos Sonoros

Posted in RPG with tags , , , , on dezembro 6, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

Uma maneira interessante, porém difícil, de estabelecer um clima em uma sessão de RPG é com o uso de trilhas e efeitos sonoros. Sempre que possível, gosto de colocar uma música ambiente para estabelecer o clima da cena para os jogadores. Hoje com arquivos digitais e o auxílio de um notebook é possível organizar uma série de músicas e efeitos sonoros para serem acionados no momento certo com um simples clicar de um mouse. Com certeza essa é uma ótima maneira de enriquecer as suas partidas. Usadas em conjunto com Props e Handouts, podem tornar uma simples aventura “Oneshot” em um épico que será para sempre lembrado pelos jogadores.

Existem vários sites que disponibilizam músicas e efeitos sonoros para download, alguns gratuitos e a maioria paga ou requer algum tipo de registro ou conta no site para se efetuar os downloads. No 4shared, por exemplo é só fazer uma pesquisa que facilmente você pode encontrar diversos sons para baixar. A seguir publico uma pequena lista de sites com trilhas e efeitos sonoros para Download, mas, existem muitos outros.

Músicas e efeitos sonoros grátis para baixar: Dramaticpublishing.com

Vários arquivos .wav para dowload grátis: Wavplanet.com

Várias vinhetas e efeitos sonoros: Vinhetas

Efeitos sonoros grátis para Download, no entanto, é necessário fazer um registro antes de poder baixar qualquer arquivo: FreeSound

O Relato de Desmond Cadman:

Posted in Literatura, RPG with tags , , , , , , , on novembro 29, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

29/12

Faz dois dias desde que Markus sumiu e que deixei aquela mansão. Afinal, qual era a finalidade daqueles corpos no poço? E a banheira? Ainda estou tentando me acostumar. Não sei o que sentir. É estranho.

***

30/12

Chove lá fora. Ainda estou deitado na cama. O relógio marca 8:37 da manhã. Posso ver pela janela que não há sol. Me sinto muito cansado, sem animo, uma sensação semelhante de quando ficamos resfriados. Estou gelado. Tomaria um café, pois adoro seu cheiro. Mas não sinto mais vontade de sentir o seu gosto. Aos poucos parece que todas as coisas que eu sempre amei em minha vida, estão morrendo.

Sinto fome. Fiz café apenas para sentir seu cheiro e lembrar da vida que já tive. “Vida”. Não sei o que fazer. Como posso contar isso aos meus parentes? Me sinto mais forte agora. Já é noite.

31/12

Não sei o que aconteceu. Acordei em minha cama com as roupas rasgadas e com muitas marcas de sangue, como se tivesse entrado em uma briga. Minha fome passou. Sinto-me enfraquecido novamente, mas preciso sair. Preciso ir trabalhar.

Fui enviado para investigar um assassinato. A vítima é uma mulher, 28 anos, morena, 1,70m. Seu corpo foi encontrado no Hyde Park. Havia sinais de luta. As roupas da mulher estavam rasgadas. A causa da morte é um enorme ferimento em sua jugular. A vítima perdeu muito sangue, provavelmente devido ao ferimento, a terra deve ter absorvido boa parte do líquido. Não há testemunhas.

***

01/01/1959

Não consigo tirar este último caso de minha cabeça. Não é novidade para mim DO QUE eu preciso me alimentar (apesar de ainda relutar em acreditar), mas começo a considerar o fato de quem pode ser o autor deste crime. Não lembro dos eventos que aconteceram na noite do dia 30.

Nas páginas policiais do jornal está a foto da cena do crime e da descrição. O texto é praticamente meu.

A autoria da cena também.

***

02/01

Tenho certeza que fui eu. De que outra maneira minha fome seria saciada? Eles vão acabar chegando até mim de alguma maneira. Eu preciso ser mais cuidadoso. O que me espanta é não lembrar de nada. Eu não posso deixar isso acontecer novamente.

Aquela era uma pessoa igual a mim. No que eu me tornei? Aliás, como é possível tal coisa existir?

Não há mais sinais dos alemães, de Markus, tão pouco do Graesser.

Preciso de respostas. Mas antes eu preciso dar um fim em tudo isso. Devo desaparecer.

***

03/01

Matei outra pessoa! O corpo está aqui, estendido sobre a minha cama. Outra mulher. A conheci em um bar, onde começamos a conversar enquanto eu tentava tragar uma taça de vinho. Viemos até minha casa. Nunca antes havia sido tão fácil assim seduzir alguém. Quando me dei conta, estava em seu pescoço. Quando ela percebeu, olhando no espelho, tentou reagir, mas logo não tinha mais forças.

Nunca tinha me dado conta de quão frágil nós somos.

***

05/01

Juntei todo meu dinheiro, irei embora para o interior. Pretendo alojar-me na antiga mansão onde todo este terror começou. Estou em risco aqui, assim como todos ao meu redor.

***

06/01

Adeus antiga casa e antiga vida. Vou atrás de respostas. “Do pó ao pó”, sempre disseram.

É o que restará de tudo que já foi meu. Minha casa, meus pertences…

— —

Texto: Leandro Zanchin

Wild Thing

Posted in Literatura, RPG with tags , , , , on novembro 28, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

Body count
Laying down mutilated
It’s your time to die
Desolate
Lurk your satisfaction climax with your death
All alone
You’re praying intimidated with my lust for fear
Dehumanise
Crying out stimulated
Your screams fill my soul

– Slayer, “Psycopathy Red”

Eu estava em um bar, tomando uma cerveja, quando na TV, eu vi a notícia sobre a morte de um garoto. Nada de anormal nos dias de hoje, em que jovens morrem tanto, tão cedo e de maneiras tão violentas. No entanto, as circunstâncias da morte do rapaz aguçaram minha curiosidade. O jornal dizia que um rapaz havia sido atacado por um urso ou outro tipo de animal selvagem, no estacionamento de um Supermercado. nas imagens do noticiário haviam policiais, repórteres e curiosos cercando a cena daquele terrível acontecimento. O jornalista que cobria o evento no local informou que alguns policiais e peritos da polícia passaram mal ao observar o que sobrou do rapaz espalhado pelo chão dos estacionamento do Supermercado.

Naquela noite eu não dei importância para o fato, mas isso mudou na noite posterior. Quando uma mãe e sua filha foram encontradas estraçalhadas no parque perto de sua casa, a polícia inicialmente suspeitou do marido. Afinal ele foi encontrado chorando sobre os corpos delas, com as roupas ensanguentadas. O homem foi levado sob custódia, terrivelmente abalado, no entanto, o marido foi logo descartado como suspeito depois que os peritos analisaram os corpos. Na imprensa também correu o boato de que  os corpos foram terrivelmente mutilados e parcialmente devorados. Eu normalmente gosto de ficar longe de problemas, mas alguma coisa me dizia que eu tinha que investigar o que estava acontecendo, então fui dar uma farejada por aí para ver o que descobria.

Fui até o estacionamento onde o rapaz foi encontrado. Até aquele momento eu não tinha certeza de nada e esperava que minha intuição estivesse errada. Havia chovido naquela madrugada após a morte do garoto, o que tornou muito mais difícil a minha investigação. Cuidadosamente evitei os dois patrulheiros sonolentos que guardavam o local, passei pelas linhas de isolamento da polícia e fui farejando o asfalto do estacionamento. Foi quando eu senti o cheiro daquilo que pegou o garoto. Eu esperava que fosse um urso ou na pior das hipóteses algum assassino maluco, no entanto, era algo muito diferente…

Depois naquela mesma noite invadi o necrotério para ver se conseguia alguma pista que a polícia tivesse deixado passar por não contar com nenhum detetive com as minhas habilidades. Não tive muita dificuldade para encontrar os corpos da mulher e sua filha, elas estavam naquelas horríveis e frias mesas de alumínio de necrotérios. Os corpos estavam terrivelmente mutilados. A mulher teve grande parte da carne do rosto e seios arrancadas, o pescoço tão descarnado, que o que mantinha a cabeça presa ao corpo era quase que somente a coluna vertebral. O delicado corpo da mulher ainda tinha grandes horríveis marcas garras. A menina, que devia ter por volta de seis anos, parecia uma pequena boneca que foi atacada por um cão feroz. Faltavam grande parte dos dedos, mãos e braços no diminuto corpo da menina. Em meio ao cheiro da sangue ainda fresco das vítimas, pude sentir o cheiro dele.

Quando as mortes começaram eu logo descobri o que estava acontecendo, não era eu que estava matando pessoas, mas fazia alguma ideia de quem, ou melhor, daquilo que estava cometendo esses crimes .Acho que desde o início instintivamente eu sabia o que estava acontecendo e o que era o responsável por aquelas mortes, no entanto, eu torcia para que meus instintos estivessem errados. Decidi que era minha obrigação acabar com aquilo e evitar mais mortes. Eu sabia que isso não seria fácil, precisava encontra-lo rapidamente e acabar com esses ataques de um jeito ou de outro. O tempo estava contra mim e infelizmente aquele era apenas o segundo dia de lua cheia…

The Order: Nova Cabala para Trevas

Posted in RPG with tags , , , on novembro 22, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

Fundação: A seita surgiu no século XVI nas colonias inglesas na América do norte.

Base: Cidade de Silent Hill, Maine.

Atuação: Principalmente Nova Inglaterra e norte dos E.U.A.

Personalidades: Jennifer Caroll, Claudia Wolf, Dahlia Gillespie, Leonard Wolf, Dr. Michael Kaufmann,Vincent Smith.

Background: The Order é uma seita religiosa que surgiu a partir do sincretismo entre a religião cristã européia e as crenças da cultura de alguns povos indígenas norte-americanos.  Da mistura dos elementos religiosos cristãos europeus e nativo-americanos surgiu uma religião que prega a dor e o auto-sacrifício para a salvação.

O principal objetivo da Ordem é desencadear o apocalipse e alcançar o paraíso. Este paraíso significa muitas coisas diferentes para diferentes membros, mas os objetivos continuam os mesmos, a ressurreição de Deus. Cada facção do culto tem uma interpretação diferente de como esse objetivo pode ser alcançado. Alguns tentam ativamente acelerar esse evento, enquanto outros simplesmente se preparar para o inevitável.

A Ordem não acredita em termos de “bom” ou “mau”, apenas “caos” e “ordem”. Suas formas são cruéis e brutais, para garantir a ordem permanece no local. Para garantir a fidelidade e a disciplina, muitas crianças sob os cuidados da Ordem são tratadas com crueldade. A vida humana é irrelevante para eles, como eles são mais do que dispostos a sacrificar e matar para apaziguar Deus.
Muitos de seus rituais produzem efeitos misteriosos que desafiam qualquer lógica. Os líderes do culto possuem fortes ligações com o outro mundo.

Características:

Graus: A seita se divide em círculos de mistérios, que são organizados hierarquicamente a partir do alto conselho. Cada circulo foi fundado a partir de um círculo considerado superior são eles:

Alto Conselho: O propósito do conselho é ajudar na formação de novos círculos quando necessário. O conselho tem poder de decisão nos assuntos referentes a Ordem como um todo  e também é o Tribunal onde se arbitram e resolvem disputas internas na Ordem.

Circulo da Mãe: Este é considerado o grupo fundador da Ordem e hierarquicamente superior.

Circulo da Filha: Todos os membros da segunda geração formados a partir do circulo da Mãe.

Círculo dos Servos: Todos os membros da terceira geração formados a partir do circulo da Filha.

Seitas: A Ordem se divide em diversos seitas, cada um liderado por um sacerdote e com suas próprias especificidades e interpretações próprias da Religião.

Sect of the Holy Woman:Esta seita é liderada por Dahlia Gillespie. Eles acreditam que um dia Deus voltará para a Terra. No entanto, liderados por Dahlia esta seita tentou acelerar o renascimento de Deus por meio de um ritual de imolação, em que Dahlia usou sua própria filha como um sacrifício. Membros desta seita incluem Dahlia Gillespie, Claudia Wolf, Vincent Smith e Leonard Wolf. Eles acreditam que quando Deus vier ela trará o apocalipse e levará os fiéis ao paraíso. Claudia Wolf acredita que se Deus nascer da dor e ódio ela será mais misericordiosa.

Sect of the Holy Mother: Os membros deste séquito gerenciam uma instituição de caridade chamada Wish House, em essência um orfanato, com o qual os membros da seita pretendem criar e educar um conjurador que seja capaz de realizar o ritual sagrado para invocar Deus e coloca-lo em um objeto sagrado. Eles adoram a Mother Stone como algo sagrado e chamam a Deus “Holy Mother”. Os membros desta seita são um pouco mais pacifistas que os membros da seita  Holy Woman, apesar disso sua crueldade pode ser observada no tratamento dispensado aos órfãos sob a guarda da Wish House.

Sect of Valtiel: Esta seita é liderada por James “Red Devil” Stone. Eles se destacam por usar vestes cerimoniais vermelhas, capuzes pontudos e agir como carrascos em honra de Valtiel. Membros desta seita incluem James Stone, e George Rosten.

Sect of Shepherd’s Glen: Uma seita sem nome da Ordem tem sua sede no povoado de Shepherd´s Glen. Eles são um grupo dissidente, depois de ter rompido com o núcleo da Ordem para viver de um modo mais pacífico. Embora separado da Ordem, muitas de suas crenças centrais são semelhantes, incluindo a fé em seu Deus e um desejo de disciplina. As famílias fundadoras do povoado e formaram a seita fizeram um pacto com o seu Deus, se uma criança de cada uma das quatro famílias fosse sacrificada a cada 50 anos, Shepherd´s Glen seria poupado dos efeitos do Outro Mundo. Com falha de Adam Shepherd para cumprir sua parte do pacto, o acordo foi quebrado, e Shepherd´s Glen sofreu os rigores do Outro Mundo. Membros desta seita incluem Curtis Ackers, Adam Shepherd, Lillian Shepherd, Sam Bartlett, Martin Fitch, Margaret Holloway.

Fontes:

http://www.translatedmemories.com/index.html

http://silenthill.wikia.com/wiki/Silent_Hill_Wiki

http://silenthill.wikia.com/wiki/The_Order

Aliança de Sangues

Posted in RPG with tags , , , , , , , on setembro 25, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

Am I dreaming? My heart pounds my chest
Held for ransom in a spider’s web
Suffocating, no one hears my calls
Never ending, till the black curtain falls

Snakes, surround me
Offering their death kiss to me
Down, I’m drowning
How long, I hold my breath
Dogs are chasing
My legs are paralyzed
Pray, don’t find me
My life is fading fast

– Megadeth, “Black Curtains”

27/12/1958

Daniel Graesser está em sua casa fazendo planos de fuga contra inimigos desconhecidos que perigosamente espreitam seu não mais tão seguro lar. Markus, o homem desconhecido que levou Graesser à enxergar  rachaduras no tecido da realidade está ferido de um modo que desafia a racionalidade, no entanto, de alguma forma ele continua vivo. A maioria das idéias de Graesser parecem difíceis de executar sem ajuda, mas em quem confiar? Graesser espera que a qualquer momento algo terrível aconteça, a tensão é quase palpável.

— —

Dirigindo velozmente pelas ruas escuras de Londres, Cadman, após deixar o aeroporto Heathrow, vê pelo retrovisor do ford 1950 negro um par de faróis em seu encalço. O carro em alta velocidade se aproxima rapidamente e bate violentamente no para-lama traseiro do veículo de Cadman. O investigador quase perde o controle do veículo. Ele acelera, depois faz ousadas manobras para despistar seu perseguidor, mas, perde o controle do veículo.

Cadman consegue evitar um acidente, no entanto, é rapidamente alcançado e ultrapassado pelo carro negro que o perseguia. O Veículo para com o ruído alto de pneus, dele saem dois homens portando armas. Sem dizer uma palavra os homens fazem pontaria e disparam em direção a Cadman. Ele somente consegue tempo para sacar a pistola e esconder-se atrás do carro enquanto as balas cortam o ar perigosamente em sua direção. Em desvantagem numérica e ferido Cadman está acuado, um dos homens dispara uma chuva de projéteis com um rifle de assalto de alto poder de fogo.

Aproveitando um hiato entre os disparos dos inimigos Cadman faz um disparo preciso, no peito de um dos homens que manejava um objeto cilíndrico. Com o impacto da bala o homem deixa cair o objeto. Segue se uma grande explosão que encerra o conflito. Momentos depois Cadman parte, deixando para trás um  carro em chamas, os restos destroçados pela explosão de um dos atacantes e a vizinhança em pânico.

— —

No porta-malas do carro crivado de balas, Cadman, leva um dos homens que o atacou. Ao revistar o homem, seriamente ferido na explosão, o investigador encontra dois endereços anotados em um papel, um deles é o seu, o outro ele pretende descobrir logo…

Um carro estaciona em frente a Residência dos Graesser. No silêncio da madrugada Daniel ouve um motor ser desligado, o ruído de portas abrindo e depois fechando, vozes e em seguida o som da campainha. Cuidadosamente ele vai até o portão enquanto Markus esconde-se no carro para uma fuga rápida caso seja necessário. Apesar de parecer tola a ideia de que seus inimigos tocariam a campainha da porta da frente para ataca-los precaução nunca é demais.

Junto ao portão está um homem pálido aparentando ter por volta de trinta anos. Ele traja roupas formais e aponta rapidamente uma pistola para Graesser. O homem ordena que ele aproxime-se e então ele vê na calçada outro homem deitado no chão, com parte do rosto e roupas queimados e sangrando.

– Você conhece esse homem?

– Não, e não quero saber, saia daqui eu não quero problemas.

– Esse homem tentou me matar, ele tinha esse bilhete com seu endereço. Acredito que você era o próximo alvo.

– Acho que é melhor você entrar e trazê-lo junto.

Na mansão, Daniel Graesser e Desmond Cadman interrogam o prisioneiro. Ele recusa-se a cooperar e parece saber muito pouco também. Gravemente ferido o nazista morre logo em seguida. Markus depois de uma breve conversa afirma que Cadman também foi transformado e que ele agora também é um Vampiro como Markus e Graesser. Ele também revela que ele sabe existir um grupo nazista que deseja usar o sangue vampírico com algum propósito nefasto e que os homens que os ameaçam são soldados desse grupo.

Depois dessas terríveis revelações os três decidem ir até o local no campo onde Cadman relatou ter sido atacado. Em consenso eles acreditam que seria um bom lugar para esconderem-se e encontrar pistas. Cadman dirigindo um pequeno caminhão da Graesser Chemical segue novamente até Gloucestershire onde se localiza Woodchester mansion.

— — 

Em Woodchester eles passam o dia dormindo o sono dos mortos sob o chão de pedra fria da mansão abandonada. Quando está escuro novamente, Cadman e Graesser, os dois novos filhos da noite investigam a casa em ruínas. Junto aos traços de uma época passada eles descobrem, no centro de um dos aposentos não arruinados da mansão, uma velha banheira com vestígios de que esteve cheia de sangue! Corpos putrefatos de jovens mulheres semi-nuas em um velho poço em um jardim abandonado completam um cenário de horror.

Quando Cadman e Graesser procuram Markus em busca de orientação, eles descobrem que ele desapareceu. Eles são agora dois jovens monstros sozinhos na noite escura.

— —

Resumo da crônica O Caminho das Sombras que tem como referência o Cenário de Trevas, editado pela Daemon Editora.

Lucas Bernardo Ramires – Narrador

Daniel Graesser – Grecco Morais

Desmond Cadman – Leandro Zanchin

Combustão Espontânea

Posted in RPG with tags , , , on setembro 18, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

Formas e Caminhos: Criar/Controlar/Fogo 5

Compenentes: Verbal e Material

Alvo: 1 pessoa

Duração: Instantânea

Dano: 5d6

Teste de Resistência: Teste bem sucedido de Constituição reduz dano à metade

Alcance: Não se aplica

Não se sabe qual a origem deste ritual, no entanto, estudiosos supõem que ele foi criado por grandes magos de alguma das Ordens do Fogo, como uma forma mais “sutil” de eliminação de inimigos. Este assustador efeito foi descrito pela primeira vez no século 17, por médicos e anatomistas franceses curiosos e assustados com os resultados do ritual. Os componentes materiais são uma mistura de algum fluido corporal da vítima, carvão, gordura e ossos humanos, que deve ser queimado pelo mago enquanto ele recita os versos do ritual. É um feitiço tão mortal que poucos sobreviveram a um ataque de Combustão Espontânea. Algumas partes semi-queimadas das extremidades do corpo, como pés e mãos, foram tudo o que restou da maioria das vítimas desse terrível efeito. O efeito começa queimando a vítima de dentro para fora, a origem do fogo místico parece ser o tórax de onde se espalha e devora quase todo o corpo da vítima.  O ritual tem a peculiaridade de que as chamas não causam dano ao ambiente onde a vítima se encontra, salvo algum resíduo ou manchas no local. Algumas testemunhas informaram também que a fumaça causada pelo ritual tem um nauseante cheiro adocicado.

Aurora Sombria

Posted in RPG with tags , , , , , , on setembro 5, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

26/12/1958

Daniel Graesser está dormindo sozinho em sua cama, o frio e cinzento mundo la fora é somente uma nebulosa lembrança. Em algum momento ele começa a sentir o perfume dela. Depois ele sente o toque macio do corpo dela junto ao seu. Naturalmente seus corpos se unem, a fome o impele e sem conseguir se controlar Graesser começa a sorver o doce sangue do corpo dela. Ele ouve seus gemidos e as batidas fortes do coração que protestam selvagemente contra aquele terrível beijo. Graesser sente a vida dela ser consumida pela sua fome mas não se detêm…

— —

Desmond Cadman desperta em seu apartamento, os acontecimentos da noite anteiror ainda em sua mente, mas tudo pareceu um sonho, confuso e distante. Com grande dificuldade ele informa por telefone que não poderá trabalhar, no entanto, não escapa de alguma da pressão do sargento Lee, seu supervisor, a respeito da investigação sobre o desaparecimento da escritora americana. Lee cobra de Cadman algum avanço na investigação e diz que a notícia vazou para a imprensa e que isso será ruim para a imagem da instituição e que isso recairá sobre todos os policiais. Pior de tudo, os jornais sabem que o marido da escritora era um policial americano e que ele foi assassinado em Londres, o que complica muito mais a situação envolvendo agora relações diplomáticas com os Estado Unidos da América.

— —

Graesser somente pára de sugar quando o corpo da mulher em seus braços não tem mais sinais de vida. Ele retoma alguma consciência e rapidamente puxa o rosto da mulher e ele descobre com horror que não se tratava de sua noiva Sthephany Queeny. E nem poderia ser, ela está morta a mais de seis meses, carbonizada em um incêndio. A mulher que Graesser tem nos braços é sua empregada Mary Smith, que agora não é mais do que uma casca seca e sem vida, seu pescoço pende de um modo típico dos mortos. Pouco antes do amanhecer Graesser enterra o corpo de sua jovem empregada no terreno de sua casa e queima as roupas e lençóis sujos de sangue daquele banquete sinistro.

— —

Desmond Cadman Chega até a Cable Street, ele foi investigar o endereço que consta nos documentos do ford negro que ele dirigiu de Woodchester até Londres noite passada. O endereço é um velho prédio de uma empresa a muito fechada, um edifício de tijolos do século XIX com uma grande porta na frente para entrada de veículos de carga. Cadmanobserva o prédio ele parece vazio e abandonado, o investigador decide entrar por uma porta nos fundos da propriedade. Ele força a velha porta de madeira que não resiste e se abre. Para a surpresa o temor de Cadman, escondidos em um velho aposento do edifício ele encontra duas caixas de madeira contendo Granadas e munições de grosso calibre, nas caixas está escrito apenas cuidado explosivo no idioma alemão.

— —

Pouco Antes do amanhecer um ruido na janela e Graesser encontra o homem sombrio que o transformou. Ele está muito ferido, de seus ferimentos escorre pouco sangue escuro, grosso e pegajoso. Seu tórax tem buracos do tamanho de bolas de tênis com queimaduras no que restou da pele. o estranho sangrento apenas consegue dizer que ele foi atacado e que eles estão em perigo. Ele diz coisas sobre nazistas caçando-os e que eles logo descobrirão onde eles estão. Graesser faz algumas perguntas sobre a sua nova condição ao que o homem responde em sua maioria com evasivas.

– O que aconteceu com você?

– Isso não importa, o importante é que eles também estão atrás de você!

– Quem são eles?

– São os malditos nazistas, eles também querem o que você possui.

– Eu pensei que nada afetava você?

– Eu posso aguentar quase tudo, mas ainda posso ser destruído, e você é igual a mim agora que recebeu meu sangue.

Daniel Graesser  começa a fazer preparativos para deixar a sua casa e fugir antes que seus inimigos cheguem.

— —

 Em uma outra sala do edifício da antiga fábrica na Cable street, Cadman encontra pistas de recente atividade, comida estocada, roupas e utensílios apontam para a presença regular de pessoas no prédio, mas quem serão eles? Enquanto formula teorias a respeito do envolvimento dessas pessoas com o desaparecimento de Barbara Ewing e com o que aconteceu com ele, Cadman ouve a porta de carga do prédio abrir.  Escondido em uma sala contígua o investigador assiste duas pessoas conversarem, um homem idoso e uma mulher, eles aparentemente discutem sobre preparativos de viagem. Quando a mulher fica mais diretamente sob o faixo de luz da sala Cadman a reconhece, ele conversou com ela quando investigava o quarto de Barbara Ewing no Savoy Palace Hotel.

Depois que o velho e a mulher saem do prédio Cadman os segue até o Heathrow, eles se dirigem até o mesmo hangar onde o homem monstruoso tomou um avião e desapareceu. O investigador confronta os dois, situação que logo se transforma em um tiroteio, Cadman é baleado pela mulher com uma pistola e dispara contra o avião. Ele destrói um dos motores para impedi-los de fugir. O tiroteio se torna intenso e Cadman acaba escondido atrás de um dos veículos para evitar mais balas. Cadman acerta vários tambores de combustível a começa um incêndio, que consome o hangar e o avião. Entre tiros, chamas e ameaças Cadman troca rápidas palavras com seus adversários.

– Entreguem se!

– Você vai morrer Herr policial!

– Quem são vocês?

– Nós vamos acabar com você, foi bom ter aparecido nos poupou o trabalho de procura-lo!

– O que vocês fazem aqui?

– Você vai morrer policial, você foi somente um instrumento nas mãos de Herr Protektor!

Depois que o som das sirenes se aproxima os ânimos dos combatentes esfriam e os dois adversários de Cadman fogem em meio a confusão, fogo e fumaça na escuridão da noite…

— —

Resumo da crônica O Caminho das Sombras que tem como referência o Cenário de Trevas, editado pela Daemon Editora.

Lucas Bernardo Ramires – Narrador

Daniel Graesser – Grecco Morais

Desmond Cadman – Leandro Zanchin

Theatro São Pedro das Trevas

Posted in RPG with tags , , , , , on setembro 5, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

O Nascimento:

O Teatro São Pedro de Porto Alegre começou a ser construído em 1833 a partir da iniciativa de uma sociedade formada por doze ilustres cidadãos ligados a Igreja e aos cavaleiros da Ordem de Aviz. O teatro se chamaria São Pedro de Alcântara – e os rendimentos seriam destinados para auxílio da Santa Casa de Misericórdia. O Presidente da Província Manoel Antônio Galvão doou em 1833 um terreno com 100 x 200 palmos para a sua construção, localizado na Praça da Matriz, no centro da cidade. As obras foram iniciadas no ano seguinte, mas foram interrompidas ainda nos alicerces, em função da sangrenta Guerra dos Farrapos que aconteceu entre 1835 e 1845.

Depois da guerra, surgiu uma nova sociedade que continuou a construção do Teatro, Pedro Rodrigues Fernandes Chaves, o Barão do Quaraim foi o presidente da nova sociedade, membro proeminente do partido conservador conseguiu junto ao novo Presidente da Província Manuel Vieira Tosta, o Barão do Muritiba os subsídios oficiais, concedidos pelo Governo Provincial. O trabalho de construção foi retomado em 1850 e a pedido da Santa Casa o projeto ficou a cargo de Phillip von Normann, que se encarregou de toda a construção, com exceção da decoração final, que foi feita por Emil Julius Textor.

A Era de Ouro:

O restante das verbas para a construção vieram do Governo Provincial e de um programa de loterias estaduais e o belo edifício foi inaugurado em 27 de junho de 1858. O Teatro com capacidade para 700 espectadores e luxuosa decoração em veludo e ouro foi uma grande novidade para a elite da sonolenta capital Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, em uma época em que Porto Alegre tinha pouco mais de vinte mil habitantes.

O Theatro São Pedro surgiu para atender a demanda da pequena elite provincial. O enriquecimento trouxe o desejo por mais poder político e também pelos luxos e modas da Europa, que foram importados na medida do possível, no entanto, adaptados  aos costumes dos poderosos senhores locais. Diferente dos teatros europeus o São Pedro possuía escadas exclusivas para o trânsito de escravos a serviço de seus mestres. Entre as tarefas dos escravos estava o constante trabalho de transporte de urinóis para aliviar seus patrões.

Logo depois de sua inauguração o Theatro São Pedro começou a ser alvo de disputas políticas entre cavaleiros Templários da Ordem de Aviz ligados aos setores mais conservadores e os políticos e proprietários mais progressistas ligados a maçonaria e aos iluminados. Depois de uma guerra burocrática a sociedade responsável pela administração do teatro não conseguiu honrar as despesas e o imóvel foi desapropriado pelo poder público em 2 de abril de 1861, isso que marcou o fim da influência da Igreja e dos Templários no Theatro São Pedro.

O São Pedro se tornaria a coração da vida política e social de Porto Alegre, sendo o local de socialização mais requintado e luxuoso que dispunha a elite da pequena cidade de Porto Alegre, ao lado da Sociedade Bailante. Naturalmente o Theatro passou a ser o ponto de encontro dos notáveis da Província e onde além de assistir a programação de espetáculos, também usavam o espaço para fazer alianças, fechar negócios ou mesmo tramar golpes e assassinatos. Mais tarde com o surgimento do Partido Republicano Rio-grandense (P.R.R.) o Theatro se tornou lugar por excelência de tramas e arranjos políticos que que levariam ao poder o P.R.R. de Julio de Castilhos.

Durante a chamada Revolução Federalista de 1893 o São Pedro foi também o local onde foram orquestrados os movimentos das duas facções em disputa pelo domínio político no Rio Grande do Sul. Nos últimos anos do século XIX o São Pedro se tornou cada vez mais um local de reuniões informais entre representantes do cada vez mais diverso quadro de Seitas, Ordens Secretas e círculos de mistérios que cada vez mais rapidamente começaram a aparecer também no Rio Grande do Sul.

O São Pedro se tornou quase naturalmente um local de contato de alguma forma mais amistoso entre as sociedades Secretas presentes no Rio Grande do Sul, mas isso não impediu que em pelo menos uma ocasião as divergências não chegassem as últimas consequências, nessa ocasião um homem foi assassinado no teatro sob circunstâncias nebulosas e o caso foi abafado para não gerar suspeitas a respeito do que estava acontecendo entre as apresentações teatrais e espetáculos musicais.

O Século Vinte e o Arcanun Arcanorum:

No início do século vinte o São Pedro continuou sendo um estabelecimento de requinte apesar do contínua degradação que o edifício sofreu. Continuou sendo palco de eventos relacionados a política mundana e sobrenatural ao longo do século. Em 1961 o então Governador Leonel Brizola fez inflamados discursos para os gaúchos afim de mobilizar os cidadãos em torno da resistência à deposição do Presidente João Goulart no Theatro São Pedro.

Em1973 o Theatro foi desativado por falta de condições técnicas e de segurança, mas, dois anos mais tarde, depois de uma intensa mobilização de membros da maçonaria e outras ordens participantes do Arcanun Arcanorum foi iniciado o processo de restauração de São Pedro. Em 1984 foi reinaugurado e posto sob a direção de uma nova associação de beneméritos amigos do São Pedro que em sua maioria pertencem a alguma Ordem secreta no Rio Grande do Sul.

Um novo arranjo político tem garantido que o São Pedro continue sendo um local neutro onde os membros de ordens secretas podem manter contato para tratar de qualquer assunto relacionado a política sobrenatural, pelo menos por enquanto… O estabelecimento reconquistou sua reputação como lugar de grandes produções teatrais e músicos de renome internacional, reputação que mantém até hoje no início do século XXI.

Pregar a Língua

Posted in RPG with tags , , , on julho 10, 2012 by Lucas Bernardo Ramires

Formas e Caminhos: Entender/Controlar/Humanos 4

Compenentes: Verbal e Material

Alcance: 10 Km

Alvo: 1 pessoa

Duração: Uma Cena

Teste de Resistência: Vontade (Will vs Will + nível do Mago) anula

Este efeito foi criado por Phillipe Moyez, um praticante de voodoo haitiano radicado em New York. Os componentes materiais para esse ritual são uma língua de vaca, uma tábua e cinco pregos de ferro. O Mago toma a língua de vaca e a prega na tábua com os pregos de ferro enquanto recita os versos do ritual e mentaliza o alvo e o assunto que ele ficará proibido de mencionar. Com esse efeito o Mago é capaz de fazer o alvo não ser capaz de falar do assunto especificado pelo Mago durante a execução do ritual. Esse efeito não altera a memória do alvo, apenas bloqueia a capacidade do alvo de se referir de qualquer forma ao assunto especificado pelo realizador do ritual. O alvo não vai conseguir falar, gesticular ou mesmo escrever sobre a assunto; sempre que tentar, o alvo será acometido de um grande desconforto na garganta e de uma forte tosse que fará o alvo engasgar se continuar tentando mencionar o assunto proibido, quanto mais ele tentar falar sobre o assunto proibido pior se tornará a sensação de desconforto e a tosse. O efeito dura uma cena, mas, é comum o usuário deste ritual prender pontos de magia no ritual para estender os efeitos do ritual por mais tempo, enquanto achar a proibição necessária.

%d blogueiros gostam disto: